A lenda da rena Rodolfo

Audição de pausas - A lenda da rena Rodolfo
00:00 / 00:00
Audição Coreográfica - A lenda da rena Rodolfo
00:00 / 00:00
Canção final - A lenda da rena Rodolfo
00:00 / 00:00
Canção de Escala - A lenda da rena Rodolfo
00:00 / 00:00
O nevoeiro - A lenda da rena Rodolfo
00:00 / 00:00

NARRADOR - Reza a lenda que no dia em que nasceu uma rena especial, um cometa passou pela Terra e abençoou-a com a sua luz. Essa rena viria a ser conhecida como Rodolfo.

Rodolfo descendia uma manada de renas com poderes mágicos, poderes esses, que lhes permitiam voar.

Um certo dia, numa noite de Natal, um senhor chamado Nicolau andava pelos telhados da sua aldeia a distribuir presentes. Descia pela chaminé e colocava brinquedos nas meias que os meninos deixavam junto à lareira, com a esperança de ali encontrarem a prenda por que tanto ansiavam.

Numa dessas noites, Nicolau avistou uma manada de renas a voar sobre os pinheiros que rodeavam a aldeia e foi aí que se lembrou de lhes pedir para o ajudarem a levar presentes a muitas mais crianças. Com o auxílio destas renas especiais, ele podia voar por por todo mundo.

Anos mais tarde, Rodolfo já se tinha tornado numa rena crescida, e tentava agora, voar como todas as outras renas da sua manada. O problema é que Rodolfo era muito desajeitado e por isso mesmo, tinha dificuldade em voar. Batia com os cascos no chão para dar impulso, mas não conseguia. Ora batia, ora parava, mas nada… Não conseguia.

 

  • AUDIÇÃO DE PAUSAS

 

NARRADOR - O pai de Rodolfo foi então pedir ajuda à rena mais velha da sua manada. Era uma rena sábia e muito conhecedora dos segredos que levariam uma rena a conseguir voar.

A rena sábia pediu a Rodolfo para tentar fazer a dança das renas voadoras. 

Rodolfo achava tudo aquilo muito complicado, pois tinha que decorar muitos movimentos. Mas era “importante para uma rena especial saber voar” - Dizia-lhe o pai.

Rodolfo com a ajuda dos seus irmão, lá tentou fazer a dança das renas voadoras.

 

  • AUDIÇÃO COREOGRÁFICA

 

NARRADOR - A dança tinha terminado e Rodolfo ainda não conseguia voar. A preocupação já estava a gerar no seio da família de renas. "Porque será que o Rodolfo não consegue voar?" - Pensava a sua mãe.

Foi então, que alguém se lembrou de uma receita muito antiga. Uma receita que misturava cores e sons e que poderia até resultar com o Rodolfo. Bastava para isso conseguir cantar uma canção, entoar as notas de uma escala musical e representá-las no seu corpo. Cada som tinha uma cor e o Rodolfo só tinha de fechar os olhos e pensar na sua cor preferida.

Diziam os antigos, que essa cor se mostrava através do corpo de uma rena e que depois disso, assumiria poderes mágicos.

Rodolfo dispôs-se a tentar mais uma mezinha caseira para conseguir voar.

 

  • CANÇÃO DE ESCALA

NARRADOR - Uma vez mais, a tentativa de por Rodolfo a voar fracassou. Resignado, foi para o seu quarto e deitou-se às escuras, e adormeceu.

Lá fora, um rebuliço instalara-se no seio da manada. Tal era a confusão que Rodolfo acordou sobressaltado. Espreito pela janela e ouviu a rena mais velha dizer: “O Pai Natal está perdido. Um grande nevoeiro surgiu nos céus e não consegue guiar o seu trenó”.

Rodolfo ao ouvir isto sentiu-se triste por não conseguir ajudar. Foi então, que tentou uma vez mais voar. Fechou os olhos e pensou na canção das cores e dos sons. Nesse instante, a cor que lhe veio à cabeça foi o vermelho e ao abrir os seus olhos, viu o seu nariz a cintilar, de tal forma, que o quarto escuro se iluminara de uma cor vermelha viva.

Rodolfo foi até à rua e quando tentou dar impulso para voar, o seu corpo disparou para o céu a uma velocidade tal, que todos na aldeia julgavam ser um cometa a passar por entre os pinheiros.

O seu nariz conduziu-o pelo céu até encontrar o Pai Natal perdido no nevoeiro.

 

  • O NEVOEIRO

 

NARRADOR - Os pais de Rodolfo estavam radiantes. A rena velha afiançava que havia sido ela a conseguir tal proeza. Todos, na aldeia, queriam para si um pedaço do sucesso que Rodolfo havia alcançado.

Mas o verdadeiro sucesso fora alcançado pela persistência desta rena tão especial, que nunca desistiu e que num momento decisivo para todos os que o rodeavam, conseguiu ganhar coragem e ajudar quem mais precisava.

O Pai Natal nomeou então Rodolfo para ser o líder da sua manada de renas. A partir desse dia, o Rodolfo e o Pai Natal ficaram amigos inseparáveis.

Se estiveres atento, irás ver esta rena no dia de Natal, com o seu nariz a cintilar e pelo céu a voar.

 

  • CANÇÃO FINAL