Festa popular de Lisboa

Agulha e dedal - Festa popular de Lisboa
00:00 / 00:00
Cheira bem, cheira a Lisboa - Festa popular de Lisboa
00:00 / 00:00
Fado do estudante - Festa popular de Lisboa
00:00 / 00:00
Marcha do Bairro Alto - Festa popular de Lisboa
00:00 / 00:00
Marchas Medley - Festa popular de Lisboa
00:00 / 00:00
Olhó balão - Festa popular de Lisboa
00:00 / 00:00

EVARISTO - Finalmente chegou o dia da festa! Com tantos ensaios vai ser uma maravilha.

 

ALICE - O paizinho quer que eu cante, mas vá-se lá saber porquê, eu sou envergonhada...

 

EVARISTO - E o seu paizinho, onde está?

 

ALICE - Já deve estar a caminho. Ai estou tão nervosa...

 

EVARISTO - Oh menina, deixe lá o nervoso, que por aqui são todos amigos. (virando-se para Narciso)

 

NARCISO - Pois é claro que somos, e você meu caro amigo tem cá...

 

(chega Celeste a rapariga que Evaristo e Narciso disputam)

 

NARCISO - ...tem cá... olá menina Celeste, como tem passado?

 

CELESTE - Muito bem, muito obrigada.

 

EVARISTO - Chegue-se aqui, venha conhecer a minha barraquinha. É pena a vizinhança.

 

CELESTE - Como?

 

EVARISTO - A vizinhança, pois a vizinhança... Não terem vindo mais vizinhos, assim seria muito mais animado.

 

CELESTE - Ah, claro.

 

PERSONAGENS (que entram) - Oh Evaristo...

 

PERSONAGENS - tens cá disto?

 

(entram e saem apressados)

 

(Evaristo fica enfurecido.)

 

(Chega o pai da Alice.)

 

SR. SILVA - (virando-se para a Alice)  O seu paizinho vem aí.

 

ALICE - Ai estou tão nervosa.

 

SR. SILVA - Tome lá um copinho de água com açúcar que ajuda a acalmar.

PAI DA ALICE - Ora boa tarde. Podemos dar início a uma canção estudada pela minha filha há mais de 15 dias. Canção da célebre revista “O pastel de bacalhau”.

Vamos lá minha filha. A Agulha e o dedal.

 

ALICE - Oh paizinho...

 

PAI DA ALICE - shuuuu...

 

ALICE - Oh paizinho, mas...

 

PAI DA ALICE - Vamos lá, deixa-te de coisas senão levas com a agulha (mostra mão direita) e com o dedal (mostra mão esquerda). Meus senhores e minhas senhoras “A agulha e o dedal”

 

 

  • AGULHA E DEDAL

 

TODOS - Bravo, bravo...

 

PAI DA ALICE- Está feito! O nosso bairro é o melhor.

 

(Pai da Alice afasta-se para a barraquinha)

 

NARCISO - Isso é o que vamos ver.

 

EVARISTO - Ai vamos vamos. O melhor é o meu.

 

(Noutra barraquinha da festa inicia-se outra conversa)

 

VASCO - Agora é que estou desgraçado, as minhas tias estão a chegar.

 

ALICE -Vasco... bem dizia o meu paizinho, que não eras flor que se cheirasse.

 

NARCISO - A menina tem razão, só gostas de festas. 

 

VASCO - Pois tenho de estudar mais. 

 

(termina a conversa pois chega à cena Sr. Lopes (dono da pastelaria Bijou e sua esposa e filha) 

 

SR. LOPES - Boa tarde.

 

TODOS - Boa tarde.

 

PAI DA ALICE - Então Sr. Lopes veio visitar a nossa festa popular?

SR. LOPES - Claro, não podia deixar de vir, uma vez que a minha rica pastelaria fornece os bolos aqui para o Narciso.

 

MULHER DO SR. LOPES (sempre mal humorada) - Mais valia não fornecer. Pelo o que vejo há bairros muito mais jeitosos.

 

FILHA (menina da rádio) - Mãezinha, venha lá comprar um manjerico e deixe de ser mal humorada.

 

NARCISO (dirigindo-se para Sr. Lopes) - Ouvi dizer que a sua filha canta muito bem.

 

SR. LOPES - Ah, é um anjo a cantar.

 

NARCISO - Será que ela não quer cantar aqui para nós. Sabe o nosso bairro precisa de uma voz bonita.

 

SR. LOPES - Filha vem cá cantar para mostrar que o nosso bairro também tem vozes muito bonitas.

 

 

  • CHEIRA BEM, CHEIRA A LISBOA

 

 

Todos - Muito bem, muito bem.

 

(entram mais 2 personagens distraem Evaristo ao comprar coisas)

 

PERSONAGEM 1- Boa tarde.

 

PERSONAGEM 2 - Ora muito boa tarde, nós queremos ver os manjericos.

 

EVARISTO - Com certeza....

 

(Enquanto isso, Narciso agarra num prego e martelo e começa a martelar a barraquinha de Evaristo entra outro Personagem)

 

PERSONAGEM 1- O que está fazendo Sr. Narciso?

 

NARCISO - Vou pendurar aqui um arame para enfeitar com balões.

 

PERSONAGEM 2 - Cuidado, o Sr Evaristo não vai gostar nada disso. Veja lá se rebenta os canos da água.

 

NARCISO - Quero lá saber, os canos não são meus.

 

PERSONAGEM 2 - Eu não lhe disse.

 

NARCISO - Ah, não é água, é sumo. Sumo e com gás.

(retoma-se a conversa entre o Vasco e Alice)

 

ALICE - Eu não te disse. Se não estudares não consegues passar no exame.

 

VASCO - Prometo que vou estudar mais, mas agora tenho de levar as minhas tias à festa. Mas o pior é que as minhas tias pensam que já sou médico.

 

ALICE - Estás cá metido numa embrulhada! 

 

TIA - Olá sobrinho.

 

VASCO - Vamos lá tias conhecer aqui os bairros.

 

TIA - Mostra-nos lá.

 

VASCO - Mas primeiro quero aqui cantar um fado.

 

 

  • FADO DO ESTUDANTE

 

 

TIA - Já vimos que gostas muito de cantar.

 

SR. SILVA - Cantar, dançar...

 

TIA - Como?

 

SR. SILVA - Mas como canta bem. é o melhor fadista cá do bairro....Ai que tenho aqui uma dor.

 

PAI DA ALICE - Oh Vasco, anda cá.

 

VASCO - Já vou, agora não posso. 

 

SR. SILVA - Ai...Ai...

 

VASCO - Isso é do esternocleidomastoideu.

 

TIA - Ah ele até sabe o que é o maistoideu.

 

TIA - Meu rico sobrinho.

 

(entra o empregado que seve às mesas com um funil pois é surdo)

 

EMPREGADO - Desculpem o atraso.

 

EVARISTO - Que andas a fazer?

EMPREGADO - Sim, sim estive a comer. Mas demorei mais um bocadinho...

 

EVARISTO - Bolas que este homem não entende nada.

 

EMPREGADO - Por acaso não foi pescada, foi feijoada.

 

NARCISO - Este homem ainda me vai estragar o negócio.

 

EVARISTO - Tomara que sim.

 

SR. SILVA - Deixem-se disso o que importa é nos divertirmos.

 

 

  • MARCHA DO BAIRRO ALTO

 

(Entra um casal)

 

PERSONAGEM MASCULINA - Minha querida, ainda bem que que pudeste vir comigo aos santos populares.

 

Personagem feminina - Ainda bem, mas não tive tempo de comer nada.

 

PERSONAGEM MASCULINA - Então anda, vamos comer qualquer coisinha. 

 

(dirigem-se ao Sr. Silva)

 

PERSONAGEM MASCULINA - O que te apetece?

 

PERSONAGEM FEMININA - Apetecia-me um pastelinho de Belém.

 

PERSONAGEM MASCULINA - Sr. Silva, por favor sirva-nos dois pastelinhos de Belém

 

SR. SILVA - Pastelinhos de Belém, não temos.

 

PERSONAGEM FEMININA - Então pode ser um copinho de sumo.

 

(bebem o sumo)

 

PERSONAGEM MASCULINA - E agora minha querida, o que vai ser?

 

PERSONAGEM FEMININA - Agora apetece-me um pastelinho de bacalhau.

 

PERSONAGEM MASCULINA - Sr. Silva, por favor sirva-nos dois pastelinhos de bacalhau.

 

SR. SILVA - Pastelinhos de bacalhau, não temos.

PERSONAGEM FEMININA - Então pode ser um copinho de sumo.

 

(bebem o sumo)

 

PERSONAGEM MASCULINA - E agora minha querida, o que vai ser?

 

PERSONAGEM FEMININA - Agora apetece-me um pastelinho de vitela.

 

PERSONAGEM MASCULINA - Sr. Silva, por favor sirva-nos dois pastelinhos de vitela.

 

SR. SILVA - Com certeza. (colocando dois copinhos de sumo em cima de balcão)

 

 

  • MARCHAS MEDLEY    

 

 

TODOS - Bravo, bravissímo.

 

(Entra o júri)

 

EVARISTO - Muito bem, é chegada a grande hora do prémio para o melhor bairro.

 

SR. SILVA - Caros amigos, não há dúvida que seremos nós. Saber servir é comigo.

 

EVARISTO - Mas quem decido é o nosso querido júri. (Tentando agradar o júri oferecendo manjericos)

 

ALICE - oh paizinho, faça alguma coisa...

 

PAI DA ALICE - Canta filha, canta.

 

ALICE (cantando) - Ai chega, chega....

 

NARCISO -  shiiiuuuuuu... Deixem o júri pensar.

 

JÚRI - Caros senhores e senhoras, já foi tomada a grande decisão. Este ano, não haverá vencedor.

 

TODOS - o quê? 

 

JÚRI - Sim, este ano tivemos um empate entre os bairros.

 

TODOS - AHHHH!

 

JÚRI - Assim, todos serão os vencedores.

TODOS - EHHHHHH (batem palmas e abraçam-se uns aos outros) 

 

  • OLHÓ BALÃO